Práticas


Práticas BDSM

O BDSM é um universo composto por diversos fetiches. Ninguém é obrigado a gostar de tudo, mas é obrigado a respeitar o gosto do outro. Talvez algumas práticas relatadas aqui não te agradem ou possam até ofender. Eu confesso que não aprovo algumas áreas, mas respeito.

Segue algumas práticas e suas definições, segundo a minha experiência pessoal e/ou conhecimento no assunto:

Bondage: Fetiche por amarrar o parceiro. Restringir para dar prazer. Pode ser por cordas, roupas, Vac-Beds, camisa de força, filmes plásticos, etc… Pode ser usado para disciplinar o parceiro. É necessário ter certo domínio no assunto.

Bondage

Self-Bondage: Prática de bondage feito por si próprio, ‘se amarrar’. Deve-se ter cuidado ao praticar self-bondage.

SB

Water Bondage: Fetiche por Bondage debaixo d’agua, ou que contenha água.

delta-345.jpg

Mumificação: Restrição por meio de mumificação por gaze, filme plástico, gesso, etc… Digamos que é uma subcategoria do Bondage.

Shibari: Arte milenar japonesa de amarrar a pessoa para lhe dar prazer. Feito geralmente em mulheres, a corda é passada pelo corpo de forma estratégica que lhe dê prazer caso tente se libertar ou deixe certas partes do corpo mais sensíveis. A pessoa que recebe o Shibari se chama Dorei.

Shibari

Breathplay: Também conhecido por Asfixia Erótica, é a pratica de restrição de oxigênio no parceiro. O motivo desta prática, embora não pude comprovar a veracidade, se dá pelo fato de quanto menor a concentração de oxigênio, maior será a concentração de hormônios no sangue, o que causa um maior prazer, ou um prazer prolongado. A restrição pode ser feita de diversas maneiras, como por sacos plásticos, máscaras de gás, mãos, etc… Deve-se ter extremo cuidado com esta prática. É muito perigoso e não deve ser feito por amadores, o menor deslize pode levar a morte.

delta-320.jpg

Dominação: Aquele que domina o submisso, tem o poder sobre ele. Pode ser feito por meio físico ou psicológica.

Dominação

Submissão: Aquele que se submete ao poder do dominador, fazendo todas as suas vontades.

Submissão

Sadismo: Aquele que sente prazer em ver o outro sofrer.

23326007.jpg

Masoquismo (Algolagnia): Aquele que sente prazer em sofrer por meio de dor e/ou humilhação.

SM

Spanking: Prática de espancamento. Há vários níveis de intensidade, desde tapinhas até chicotadas. Dependendo do gosto da pessoa. Pode ser usado como castigo ou prêmio. A intensidade da batida deve ser feita gradativamente.

Spanking

Pony Girl / Dog Woman: Prática de submissão onde o submisso assume papel de cavalo ou cachorro respectivamente. Sendo tratado como tal.

Pony Girl

Consensual Rape: Prática onde se SIMULA, (ou seja, é concensual) um estupro. Geralmente isso é para mostrar o poder do dominador sobre o submisso.

Rape

Travestimento / Feminização / Crossdressing: Jogo onde o homem veste e se comporta como mulher. O homem não é necessariamente homosexual para ter este fetiche.

CD

Podolatria / Trampling: Fetiche por pés. Geralmente o submissos se submetem a adoração dos pés de seu dominador. Há diversos jogos que se podem fazer com os pés, basta criatividade. Trampling é a fetiche por ser pisado pelo dominador.

Scat: É o fetiche por fezes. Onde geralmente o dominador os fornece ao sumbmisso, onde ele fará o uso de acordo com as vontades do dominador. Deve se ter cuidado ao praticar Scat, pois a transmissão de doenças é evidente.

Golden Shower: Fetiche por Urinar no parceiro. O mesmo cuidado com Scat deve ser feito no Golden Shower, para evitar transimssão de doenças.

Fisting: Ato de inserir a mão, parte do braço, ou algum objeto na vagina ou ânus do parceiro. Deve-se lubrificar muito bem a região e tomar cuidados para evitar a distensão muscular e objetos presos devido ao vácuo.

Fisting

Waxplay: Brincadeiras com velas dão um clima mais misterioso à cena, e podem ser usados no jogo. A cera derretida pode ser usada para torturar o parceiro. Claro, cuidados devem ser tomados para evitar queimaduras sérias. Deve-se deixa-la numa distância segura para evitar queimaduras graves. Deve-se usar neste jogo velas brancas comuns de parafina. Não devem ser usados velas de cera de abelha, velas coloridas e perfumadas, devido aos elementos quimicos alterarem a temperatura de derretimento.

Inversão de Papéis: Jogo onde a mulher passa a ter papel de homem e penetra no parceiro que passa a ter papel de mulher. A inversão de papéis também incluem mulheres com Strap-on (cinto com vibro) que penetram em outras mulheres.

Strapon

Infantilismo: Prática que visa tratar e cuidar da pessoa como um bebê ou uma criança. Fazendo-o usar fraldas, mamadeiras, chupetas, etc…

Infant

Agulhas: Deve-se ter extremo cuidado com esta prática. Deve-se ter muita prática e experiência no assunto. Sendo definitivamente uma prática para profissionais. Este jogo usa-se agulhas (de costura ou acupuntura) na pessoa para lhe dar prazer.

Agulhas

Içamento: Prática que pode ser derivada das agulhas onde se prendem ganchos na pele da pessoa e ela é içada ao ar. Deve-se ter extremo cuidado com o material utilizado, o corpo da pessoa, e diversos outros fatores que colaborem com a segurança. Esta é uma outra pratica para profissionais.

Humilhação: Jogo psicológico onde se subjulga o dominado através de palavras ou gestos que o atinjam. Deve se fazer com que o submisso entenda que faz parte do jogo, caso contrário ele sairá abalado da cena.

Face-Sitting: Ato onde a mulher senta no rosto do dominado provocando asfixia.

delta-196.jpg

Privação de Sentidos: Ato onde se priva algum dos sentidos do submisso, como amordaçar, vendar, etc… E aumentar a sensibilidade a outros sentidos.

Gag

Eletroestimulação: Ato onde se usa pequenas descargas elétricas para torturar o submisso.

Escarificação: Prática de onde se faz pequenos cortes ou abrasões na pele por meio de facas, lixas, etc…

Medical Play: Prática onde se usa objetos médicos, como espéculo, agulhas, enemas, cateter, etc…

sygeplejerske_1280x1024preview.jpg

Tickling: Tortura por meio de cócegas.

27 comentários sobre “Práticas

  1. Parabens pelo esforço em inventariar as praticas mais conhecidas de BDSM.Vou aqui,no intuito de enriquecer sua analise,criticar construtivamente o texto relacionado a asfixia sexual.O grande mediador da excitaçao na asfixia sexual é a adrenalina,que nao seria de fato um hormonio sexual,mas sim um hormonio do estresse.A estimulaçao sexual em parte parece um estresse ,pois temos uma atividade fisica,respiraçao acelerada e batimentos cardiacos acelerados.Mas nao temos o desvio da atencão dos orgaos sexuais.A combinaçao do estresse fisico e da excitaçao sexual em algumas pessoas potencializa a percepção sexual.Esta percepção modificada é a responsavel pelo orgasmo diferenciado das pessoas que se identificam com essa prática.Recentemente,vi num filme um casal que realiza uma cópula num daqueles elasticos..body-jumpinng.O casal descobriu que a expectativa do salto libera hormonios do estresse,adrenalina,que potencializa o orgasmo(se houver tempo).Uma outra entidade que participa tambem de maneira marcante é o CO2,gas carbônico.Ele faz vasodilataçao cerebral.Na asfixia ele fica em maior quantidade no sangue e cria uma “narcose”.Esta narcose faz um relaxamento muscular generalizado e favorece tambem a potencialização do orgasmo,ou de sensaçoes prazerosas pre-orgasmicas que no futuro vai criar aquela “dependencia”de querer fazer denovo.

  2. Em relaçao a morte por asfixia.Existe uma lenda sobre isso,parte enriquecida pelo filme “império dos sentidos”.Uma das cenas finais a mulher estrangula,na verdade,um garroteamento,o personagem masculino e ele falece.Ela fica desesperada com isso,enloquece(?),faz uma amputaçao do penis do amante falecido e,é encontrada depois de um tempo,vagando pelas ruas de Tóquio,com o orgao guardado num pano.Esse filme foi baseado neste caso veídico de 1926.Outro filme que protagoniza essa histeria de morte por asfixia é aquele “Sol vermelho”com Sean Connery.No início do filme uma mulher sensualmente vestida é estrangulada e,por sua vez morre numa festa de executivos japoneses.O filho do dono da empresa é responsabilizado e Sean Connery investiga e descobre que tudo foi uma armaçao digital.Neste filme é apresentado a pratica de asfixia sexual como algo perigoso e doentio.A questao que coloco é que nao se morre tao facil assim.No estrangulamento manual,onde vc tem um controle das variaveis asfixcas melhor,até chegar a morte cerebral ou cardiaca,pelo menos uns 10 minutos de asfixia plena.O que se observa na pratica sao os acidentes pelo uso imprudente da tecnica.Por exemplo,estrangular sem vc ter uma percepçao de quando a pessoa desmaia.Estrangular sem ver o rosto ou ter algum contato sensivel com a vitima.Se vc estrangular alguem e deitar sobre ela,nao vai perceber qdo ela desmaia ou para de respirar.Ai passa dos dois minutos e corre riscos de dano cerebral permanente.Outra pratica que expoe a muito risco é fazer varios estrangulamentos repetidos.Eles vao se acumulando e o limiar de tolerancia fica muiito diminuido.Nao serao mais dois minutos.Será menos.

  3. Adorei este blog.Sinto muita falta de opçoes sm. Se vc tiver outros endereços,por favor,envie para o meu email:paijojo@hotmail.com

    Um abraço.

  4. Acidentalmente, achei seu blog.
    Muito pratico e funcional.
    Parabéns, utiliza-se da racionalidade para expressar as idéias do BDSM.
    Não me enganei ao adicioná-lo como Amigo no Orkut.

  5. entrei no site pra aprender um pouco sobre esse mundo já q me relaciono com uma pessoa q gosta das práticas. Confesso q acho tudo isso muuuuuito louco…é possível aprender a gostar disso? Aprender a ser uma escrava? Como saber até q ponto o gosto dele é mesmo uma forma “alternativa” de prazer e até q ponto pode ser sinal de algum desequilíbrio ou distorção da prática sexual? Devo ter medo de sofrer algum dano sério a minha integridade física? Existem sinais q demonstram excesso? Desculpe-me pelas perguntas um tanto elementares, mas realmente estou buscando conhecê-lo melhor e ver até onde consigo ir…
    obrigada!

  6. Em resposta as dúvidas da “tatá”.Pratica alternativa ou deformação da sexualidade?O limite ai é a consensualidade.Isso tudo deve ser acordado antes e os excessos negociados.A experiência de cada um vai ser o parâmetro de segurança da prática.No casos de asfixia isso é fundamental.Cada um faz aquilo que se sente seguro em fazer.
    O interessante no seu depoimento é entender o q vc viu de atraente nessa sua parceria sexual e se vale a pena vc se submeter a práticas que nao lhe agradam em funçao de seu interesse pelo outro.Temos na nossa cultura um exemplo clássico ,que é a questao do sexo anal.A maioria das mulheres tolera,mas nao é uma prática sexual habitual e,com o tempo acabam incorporando a pràtica ao seu “cardápio sexual”.A ideia ai esta em gerar prazer em seu parceiro e, com isso adquirir mais” poder sexual” na relação conjugal ou amorosa.No Bdsm moderno se aceita as praticas alternativas como um enriquecedor da relação tradicional,e não um substituto compulsório.Homens e mulheres continuam gozando pelos mecanismos tradicionais.Quando o coito passa a ser substituido por praticas onde o contato sexual é evitado ou prejudicado em detrimento a tais procedimentos alternativos,então temos ai um problema de desajuste sexual.
    Esta temática é muito mais vasta e envolve muito mais dilemas éticos do que parece.Observe que ,deacordo com a ideia original do coito fisiologico,as praticas homoeróticas seriam consideradas patologicas.E durante muito tempo o foram ,mas modernamente, se considera o consentimento entre as partes como soberano, acima das convençoes sociais e biológicas.Porém ainda há exceções.Exemplo:Pedofilia.Não tem acordo,é proibido e acabou!Sabemos que na antiguidade não era assim. Coito com animais.A princípio não é crime,desde que a integridade física do animal nao seja prejudicada.
    Nas práticas de coito fisiologico,excessos podem levar a problemas de saude também.Exemplos?Doenças venereas e laceraçoes.Nas praticas de bdsm tambem.Muitas vezes a lesão esta associada ao incremento da estimulaçao prazerosa e suas marcas são lembranças agradaveis.Não havendo queixas,não haverá dano por ser reparado.O princípio da consensualidade é fundamental mais uma vez.
    Finalizando,pense no que pode ser prazeroso nessa relaçao pra vc.Sugiro que experimente e, caso nao se identifique com o tema ou nao veja ganhos sexuais de poder com isso,preserve pelo menos sua amizade pelo parceiro.Maiores esclarecimentos,se preciso, me procure pelo orkut!

  7. Pingback: Atualização: Práticas « GasMask
  8. Olá! Gostaria de tirar algumas dúvidas, apesar de ter acesso há informação, nunca quis aprender só que atualmente esse desejo em mim de me impor, dominar e subjulgar alguns parceiros meus, esta cada vez mais forte! Tenho um parceiro frenquente que ele adora ser subjulgado, por ele ter um cargo importante na corporação e ser um homem grande, eu adoro dominá-lo; já o estuprei, “consensual”, Porque na verdade ele nunca teve uma prática homo, mas eu gostava de enfreta-lo, e o humilhava, apesar de todo o tamanho dele, gosto de ver ele amarrado e ele gosta támbem, pois eu o amarrei em uma árvore com uma camisa e m cinto e fiz várias coisa que ele “não queria” mas acabou gostando.
    Estou querendo aprender mais. Mas não só do nó em si, mas como amarrar as posições. Qual é a melhor maneira de humilhar, saber o limite?

  9. Olá, primeiramente agradeço o seu contato.

    Quanto às posições de Bondage podem ser diversas. Confesso que até o momento eu não tinha pesquisado na muito profundo a respeito, no entanto eu achei fontes interessantes que serão discutidas neste artigo: http://gasmask.wordpress.com/2008/03/10/posicoes-de-bondage/

    Quanto ao limite, isto varia de pessoa para pessoa. Não há um “limite de segurança universal”.

    Espero ter ajudado.
    GasMask

  10. Pingback: Posições de Bondage II « GasMask
  11. tantas coisas bonitas no mundo porque vcs não vão prestar serviço voluntario e ajudar as pessoas ?

  12. Adoro o tema e nas minhas buscas encontrei este site que adorei, muito informativo e excitante. Sou crossdresser e desejo muito realizar-me no bondage, sendo eu submissa, desejo ser mumificada, amordaçada, vendada e se possivel experimentar por um mestre uma sessão de asfixia controlada e seu site me deixou a mim, obrigada por tudo, e caso alguem deseje contato e seja um mestre afim de um sub meu msn é : luisa.cdrs@hotmail.com

  13. Teu blog é massa! ;oP Ok, explico melhor: didático, sexy, spice…show de bola, mask! Abraço!

  14. Muito boa asconsideraçõesao artigo. Minha sub gostou e aprendeu com elas.
    Abraços a todos
    Domme Keylla

  15. Tenho um desejo louco de ser submissa, humilhada, ter um ou varios donos, mas nunca tive oprtunidade. Onde posso iniciar essa pratica no rio de janeiro?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s