Origem das Roupas de Látex no BDSM


Recentemente Ilana Eleá entrou em contato comigo pedindo a seguinte orientação:

“Faço doutorado na PUC-Rio e estou estudando as origens do látex no universo BDSM. Estou com dificuldade de encontrar bibliografia histórica sobre o tema. Quais eram os tecidos utilizados pelos primeiros adeptos? Quando o vinil/látex passam a fazer parte do universo fetichista? Obrigada.”

Bem, o meu primeiro esclarecimento, sendo essa mais uma opinião pessoal, é a de que a roupa de latex não é a ‘roupa padrão’ do BDSM por assim dizer, mas sim faz parte do fetiche por latex, que muitos praticantes tem. E que o uso dela tanto dentro do meio BDSM quanto na mídia e filmes, a fez popular no BDSM, fazendo a parecer ‘padrão’. Até por que o BDSM é datado bem antes de sua criação.
Pois bem, eu acredito, que o uso dela, obviamente, surgiu após a criação da roupa de latex. Assim como deve ter ocorrido com o fetiche por máscaras, capas de chuva, luvas, corsets, etc… E numa suposição minha é que antes, eram usados o couro, ou então roupas pretas, assim como são usados hoje. De fato não achei muitos documentos sobre isso.

Então, curioso com essa dúvida pesquisei na internet sobre o assunto, e descobri coisas interessantes. O que será mostrado aqui não é nada conclusivo, mas sim evidências que possam responder esta dúvida. O que irei expor aqui é uma análise fetichista, e não possui intensidade de foco em considerações psicológicas, sociológicas e de moda. Lembro também que talvez algumas informações e especulações minhas possam estar erradas. Caso isto ocorra, colabore com o artigo com um comentário.

Segundo pesquisas no Wikipedia [1], as roupas fetichistas âmbito geral (ou melhor, a moda fetichista), especula-se que tenha surgido por volta de 1700 com os corsets, já que há relatos de pessoas que preferiam ver os corsets ao invés da própria pessoa.

Agora, o fetiche pelas roupas de latex, segundo especulações minhas através de pesquisas no Wikipedia [2] parece que ter iniciado após da invenção da capa de chuva, em 1824, que era feito de latex. Ele era chamado de Macintosh (a capa de chuva e não o computador 😛 ) devido ao seu criador, Charles Macintosh. Acredito que a partir daí, esse tenha sido evoluido a roupas especiais de latex.
Macintosh patenteou sua criação em 1823, e seu produto foi produzido na fábrica de sua família em Glasgow. Em 1830 a fábrica se uniu a fábrica de Thomas Hancock, em Manchester. Hancock fazia experimentos de roupas de latex desde 1819. Em 1925 a fábrica foi adquirida pela Dunloop.


Segundo o Kinkpedia [3] e Wikipedia [4] as roupas de latex se tornoaram famosas no meio fetichista por volta da década de 40 do século passado com os catsuits.
Catsuit é uma roupa skin-tight (colada ao corpo) que normalmente possui extensão pra mangas e pernas. Este tipo de roupa existem para ambos os sexos, porém é mais usado pelo sexo feminino.

E ao contrário do que possa parecer, o catsuit não tem nenhuma caracteristica com felinos. Eu tenho três especulações sobre a origem do nome:

  • O termo possa ter vindo por causa da roupa da mulher-gato, uma das vilãs da série Batman.
  • Tenha sido derivado da palavra Catwalk onde:

·

    • Em uma mais “viajada” talvez tenha vindo de roupas de espiãs que aparecem em alguns filmes, em que elas se escondem em catwalks (plataforma elevada geralmente usada para conectar construções)

·

    • O termo catsuits talvez possa ter originado nas passarelas de moda, chamadas de catwalk.

·

    • Ou então que o catsuit, com a roupa colada ao corpo, uma mulher fique sensual e ande como uma gata, que na giria, é chamada de catwalk.

    146515

A principal característica das roupas de latex são por serem “Skin-Tight” [5] ou “Second Skin” [6] ou seja, uma roupa que fica colada ao corpo, como uma segunda pele, pois realça a curva sexy da pessoa.
Os “Second Skins” podem ser feitos de diversos materiais, e tem as seguintes classificações:

  • Fetiche por Nylon

Material elástico, liso, algums vezes brilhante.

  • Fetiche por Spandex

Material brilhante, liso, macio e poroso.

Um exemplo de fetiche seja por causa do apelo visual da pessoa estar pelada, estando coberta apenas por uma camada de tinta. Além do estimulo visual pelo brilho e cor.

  • Fetiche por Latex

Cheiro, Brilho, A prova d’agua, liso.
Tem a mesma aplicação de fetiche de Spandex, com o mais do cheiro e a associação com brinquedos eróticos e médicos.

  • Fetiche por Couro

Brilho, liso, a prova d’agua, material de origem animal.
Associado a todas as caracteristicas acima, além da origem animal e por ser mais robusto e associação com materiais de bondade de couro.

  • Fetiche por Pelúcia

Macio, Quente, de origem animal.
O fetiche vem da associação com a pele animal, oferece calor, conforto e em alguns casos o fetiche por altavismo, que é o reaparecimanto de uma caracteristica no organismo após várias gerações em ausência.

Por fim, a minha conclusão, é que antes do surgimento do latex em roupas era usados materiais mais antigos, como o couro. Por serem usados colados ao corpo, e possuírem um sex appeal em diversos fatores, ele logo se tornou um objeto de fetiche. E conquistou diversos adeptos. Influenciando na moda, na mídia, que mais tarde se tornou “marca” no BDSM.

Leopold Ritter Von Sacher-Masoch


Este sujeito pouca pessoa do meio conhece: Leopold Ritter Von Sacher-Masoch.

Leopold Von Sacher-Masoch (1936-1895) foi um jornalista e escritor austríaco que ganhou renome com suas obras como Galician Life. Ele nasceu em Lemberg, capital do Reino da Galicia Lodomeria, uma província do império Autríaco (atual Lviv, Ucrânia), em uma família de um diretor da polícia e Charlotte von Masoch. ele começou a aprender alemão aos 12 anos. Ele estudou direito, história e matemática na universidade de Graz e depois de sua graduação ele voltou a Lember como professor. As suas primeiras obras foram basicamente sobre a história Austríaca e folclore de Galicia. Depois ele passou a escrever romances e histórias de não-ficcção.

Leopold também foi o precursor do termo masoquismo, que derivou do seu nome, Masoch, Masochism. O termo foi fixado em 1886 pelo psiquiatra Austríaco Von raft-Ebing em seu seminário de Psicotatia Sexuais.

Em 8 de dezembro de 1869, Leopold e sua mistress, Fanny Pistor Bogdanoff, assinaram um contrato de escravidão por um período de seis meses. Com a sugestão de que a baronesa vestisse casacos de pele sempre que possível (Seria o fetiche de latex da época? :P), especialmente quando estivesse de mau humor. Masoch adotou o nome de “Gregor”, um nome-estereótipo de escravo da época e se vestiu de escravo da baronesa.

Dizem que os dois viajaram a Itália. Ele viajou na terceira classe, enquanto ela viajou na primeira. Chegando em Veneza, eles não levantaram suspeitas.

Ele pressionou a sua primeira esposa, Aurora Von Römelin, no qual tinha se casado em 1873, em viver a experiência, contra a sua preferência. Ele achava a sua familia chata, e se divorciou e casou com sua assistente. A vida pessoal de Masoch só se tornou conhecimento público quando a sua ex-esposa publicou as suas memórias em 1905, sob o pseudônimo de Wanda Von Sacher-Masoch.

Contam que em 1850, a sua saúde mental começou a se deteriorar e Masoch passou os últimos dias de sua vida em um hospital psiquiátrico. De acordo com dados oficiais, ele morreu um Lindhein, Alemanha, em 1895, mas alguns dizem que ele morreu em um asilo em Mannheim em 1905.