Bondage: Por que é Divertido?


Porque bondage é divertido? Existem muitas razões. Para muitas pessoas, o sentimento de que eles são indefesos, que alguém pode fazer coisas com seu corpo e não podem impedi-los, é um poderoso fator excitante. “Eu vou fazer você gozar e não há nada que você possa fazer sobre isso.” É uma demonstração muito forte de confiança deixar alguém amarrar você e deixar indefeso, ou não. , ou até mesmo não-impotente. Quão erótico, de sentir-se “aberto”, libertino e molhado, e ver a sua amante ajoelhada entre suas pernas, pronto para usá-lo para seu prazer – ou para dar-lhe prazer sem resistências….

Para outros, a simples sensação de bondage já é suficiente. Uma restrição forte pode criar estímulos intensos, e muitas amarras apertadas podem ser uma viagem sensorial, assim como uma cena de chicoteamento pode ser. Bondage pode ser confortável, prazeroso, confinando, você não precisa se preocupar com nada, pois o que se pode fazer? Você está todo amarrado, e tudo o que lhe resta é aproveitar.

Para outros ainda, é uma forma de luta, para que seu corpo perca o controle. Isso pode realmente intensificar o orgasmo quando você goza com todos os músculos pesando contra as amarras, tentando obter as mãos livres para a cara do seu amante em sua virilha, seu corpo tremendo. Se você não estava amarrado, acabaria se machucando!

Para mim, são todos esses três motivos 🙂

Uma forma especialmente intensa de bondage é a verbal: colocar o fundo em uma posição específica (estendida, ajoelhada, o que quiser), e ordenando-lhes para não se mexer… e, em seguida, atormenta-los! Uma variação kinky é a seguinte: faça seu sub segurar suas mãos na frente deles, dedos afastados, cada ponta de dedo tocando a ponta do dedo oposto. Coloque uma moeda entre cada par de dedos de modo que eles estão segurando as cinco moedas. Agora  peças para não deixar cair, sob pena de alguma punição, e depois ir trabalhar! Isso funciona melhor em um piso duro, assim você pode ouvir a queda da moeda.

Há um monte de coisas de bom senso que você deve saber antes de se começar um bondage. A maioria destes são bastante óbvias, mas elas estão aqui porque é isso que um FAQ serve! A idéia básica, porém, é a experiência. Nas primeiras vezes você não sabe realmente o que você está fazendo, tudo bem! Tente posições diferentes, diferentes tipos de corda, etc… E se você tem uma idéia nova que você quer experimentar antes do seu grande dia com a sub… bem, porque não experimentá-lo em si mesmo? Se você conseguir uma posição confortável, provavelmente você pode fazer com que seu sob também fique!

Certifique-se que as extremidades do seu “bottom” não comecem a ficar frias ou azuis, esses são dois sinais certos de que o sangue não está fluindo do jeito que deveria, e isso não é o que você quer que aconteça. Se suas mãos de seu sub estão são amarradas dentro de luvas ou algum outro lugar que não é acessível a você, pergunte-lhes a mexer os dedos dos pés ou qualquer outra coisa e ver se eles estão perdendo qualquer sensibilidade. Pode ser complicado para amarrar alguém sem fazê-lo muito apertado, em geral, uma boa regra é amarrar frouxamente a corda com muitas voltas. Você pode apertar com uma volta apertando todo o resto, e pode ser uma chato o pé de do bottom estar dormente no meio de uma cena, esse tipo de coisa pode parecer muito irritante e pode dificultar a concentração do seu sub.


Lenços de seda, bandanas, e outros também tem este problema com um nó muito forte, às vezes eles ficam tão apertados que devem ser cortados. Se você é um principiante, você pode querer evitar esses aborrecimentos comprando um par básico de algemas de pulso e tornozelo (em velcro, couro, etc) em uma sex shop, e se você se sentir envergonhado, lembre-se da velha desculpa : “É um presente de casamento!”

Algemas são sexy, mas também podem ser uma dor. Munhequeiras de lã (o tipo que você compra na loja de artigos esportivos) são susceptíveis a rasgar durante o uso – então você tem que jogar fora. Se você quiser brincar com algemas, compre um par de boa qualidade, a marca mais comum é Kantas, e vai custar cerca de R$ 70, com uma fechadura dupla, assim você pode fechá-las e depois prendê-los para que eles não ficarem apertados com a pressão (os mais baratos são assim). Algemas são também de metal, e não são bons para lutar contra, pois eles podem facilmente pinçar os nervos … algemas acolchoados de tiras são os melhores para esse tipo de brincadeira.

Não deixe uma pessoa imobilizada sozinha. Embora seja uma grande fantasia amarrar alguém em uma posição precária (possivelmente com vibradores ou outro aparelho) e deixá-los suarem, na realidade você deve levar em consideração inúmeras coisas: e se a casa é assaltada? pega fogo? qualquer tipo de emergência? Diversão é diversão, mas uma pessoa desamparada é apenas isso: desamparada. Um parceiro consciente é precioso demais para se correr riscos.

Tenha muito cuidado com qualquer amarra ao redor do pescoço, QUALQUER coisa que coloca qualquer pressão sobre a frente do pescoço pode levar a inconsciência rapidamente, como as artérias carótidas vão direto ao cérebro. Também tenha cuidado com mordaças ou coisas amarradas na boca, assim como restringir a respiração, podem desencadear um reflexo de vômito, que pode ser realmente desagradável se o sub não pode se livrar da mordaça. Veja uma outra  safeword quanto amordaçado.

Além disso, esteja ciente de que, se alguém está de pé há um longo período de tempo em qualquer tipo de bondage , pode levara uma menor circulação na cabeça, se de repente você fizer algo intenso, pode desencadear uma  descarga de adrenalina que pode facilmente resultar num desmaio. Sempre use ganchos que podem ser liberados imediatamente, mesmo com o peso do sub sobre elas (são às vezes chamados de “panic snaps” e pode ser encontrado em lojas de ferragens), e manter um par de tesouras de primeiros socorros (é uma tesoura de atadura mais forte), acessível em caso das cordas ou tiras devam ser cortadas.

Cuidado com o que você amarra o seu sub, se uma tubulação de água exposta é útil, esteja ciente de que ele pode aquecer. Da mesma forma, com velas, tomar cuidado quando estiver chamas perto de alguém que está amarrado, uma vez que não podem se esquivar.

Se você não tem nada para amarrar alguém, você sempre pode amarrar os pulsos atrás das costas e, em seguida à sua própria cintura. Ou se sua cama não tem nenhuma cabeceira, você pode enrolar cordas em torno dos pés da cama e abrir as pernas do seu sub a sua maneira. Em geral, há um milhão de maneiras de se amarrar alguém, e com um pouco de prática -no seu sub ou em você mesmo! – Vai deixar você improvisar em qualquer situação.

Abaixo segue a lista de tipos de bondage: (…)

Mumificação ou Cocooning (Casulo): A forma mais completa de bondage é envolver alguém completamente para deixa-los totalmente imóvel. A forma mais popular de mumificar alguém é com plástico. Uma técnica comum é envolver cada membro separadamente, e em seguida, enrole os braços para os lados, e em seguida, unir as pernas – e, então, ajudar o sub deitar-se sobre uma superfície macia. Você pode então fazer buracos (cuidado!) Para acessar as áreas especialmente sensíveis, ou fita adesiva sobre tudo para uma segurança extra, ou adicionar mordaças, vendas, etc

O corpo libera calor pelo suor, e quando você pode mumificados você soa muito, por isso certifique-se de seu sub não superaqueça – e um cobertor pronto para cobri-los com quando você cortá-los fora de seu casulo, usando a tesoura EMT (obtido em lojas de suprimentos médicos – lâmina plana de corte fácil) que você, naturalmente,  deixa à mão. E como sempre, acompanhe o seu sub com muito cuidado, pois eles estão indefesos, e sua negligência ou descuido poderia significar um desastre.

Capuz (Hoods): Muitas lojas de couro e artesãos fazem capuzes de bondage. Estes são tipicamente feitos de couro ou borracha. Alguns têm zíperes simples, e você pode fechá-las por segurança. Outros têm laços atrás e / ou nas laterais, para permitir que o capuz que seja amarrado com mais força, para efeito de maior bondage. Alguns têm abertura nos olhos, outros não. Alguns têm abertura na boca, outros não. Alguns capuzes de luxo têm  protetores auriculares embutido ou espaço para fones de ouvido, para a privação sensorial. Quase todos têm buracos do nariz, por razões óbvias. Capuzes podem restringir a respiração do sub de forma séria, e tops devem estar sempre atentos da condição do sub, enquanto está vestindo um capuz – especialmente se a capa tem qualquer tipo de mordaça. Não deixe um sub  com capuz sozinho, dificuldade de respirar pode vir de repente. Algumas pessoas acreditam que qualquer capuz sem zíper ou outro mecanismo de liberação rápida é perigoso demais para o sub. De qualquer formna, você deve ter alguma tesoura de primeiros socorros no prontos se o capuz precisa ser removido depressa.

Bodybags (Sacos de Dormir): Se você gosta de estar amarrado, o bondage mais extremo é a que engloba todo o seu corpo, deixando-o sem qualquer movimento. Bondage de Bodybags (ou sacos de dormir) se assemelham a um bem costurado, saco de dormir aconchegante, muitas vezes feitas de couro ou de lycra. Os de Spandex é o menos caro, e se for feita de spandex bastante pesado pode ser bem restritiva. Muitas vezes Bodybags  podem ter uma abertura na extremidade superior, através do qual você desliza seus pés, puxando o saco até o pescoço. Muitos outros têm aberturas para genitais e mamilos, para que o seu botttom possa ser acariciado ou torturado enquanto estiver imobilizado. Bodybags de couro podem ser complexoss (e caros), alguns têm incorporado em mangas de braço interno para reduzir ainda mais o movimento, ou tiras de suspensão, de modo que o sub possa ser levantado no ar. Alguns têm laços em torno do exterior assim que a bolsa pode ser bem apertadas. Se você realmente tem dinheiro para queimar, você pode até obter Bodybags borracha inflável – é só entrar em bombear! Cuidados sobre a respiração e liberação rápida também se aplicam aqui.

Hobble Skirts (Pencil Skirt): É uma roupa fetichista concebido não apenas para uma boa aparência e sentir-se bem, mas para agir quase como um bondage. Um exemplo perfeito: eles são simplesmente saias que se encaixam muito apertado na cintura até aos tornozelos. Muitas vezes, a pessoa que veste pode dar apenas alguns passos de meros centímetros. Quando combinado com um par de saltos altos, saias quase que imobilizam totalmente, mesmo sem qualquer bondage. De couro ou latex são os materiais típicos, embora tenha alguns costureiros dedicados a fazer as suas próprias a partir de veludo ou cetim ou outro material sensual.

Armbinders: Uma espécie de algema, geralmente de couro, que ligam os braços atrás das costas. Algumas lembram luvas grandes que puxam os dois braços e há uma fivela em torno dos ombros. Outros são tiras que vão até o meio das costas e tem algemas no pulso.

Em geral, há muitos tipos de artes de servidão, e você ainda pode inventar o seu próprio.

Fonte: Fetish Exchange 1 e 2

FAQ: Como Conto aos Meus Filhos?


Este texto foi retirado do site Fetish Exchange e traduzido pelo nosso novo colaborador Yakuza.

Este é um tema não muito comum, mas que muitos ficam com pé atrás. Portanto talvez seja de interesse de alguém…

Algumas dicas e conselhos de como facilitar as coisas

Muitos pais têm dúvidas sobre como e quando contar a seus filhos sobre as emoções do  BDSM. O que geralmente  não é algo fácil de se fazer. Portanto, aqui vai algumas estratégias práticas para ajudá-los a lidar com esse tipo de problema. Nós não temos a intenção de fornecer um programa fácil de 10 passos, já que cada situação é diferente da outra. Podemos, porém, tentar ajudá-los com algumas dicas e conselhos que podem fazer esse  obstáculo seja superado mais facilmente.

Primeiro vamos relembrar algumas coisas

Nunca faça nenhuma performance BDSM em frente a menores, não importando o quão pequena é a atividade ou o qual a idade do menor. Primeiro porque é ilegal, segundo não é da conta deles, terceiro não é um comportamento consensual e finalmente, você pode causas sérios danos psicológicos/emocionais.

Ao contrário do que você possa sentir, a maioria dos filhos não estão realmente interessadas na vida sexual dos pais. Na verdade, a maioria das crianças nem querem saber sobre isso. Pense em como você se sentiria se seu pai lhe contasse o que, e mais importante, como ele fez AQUILO com a sua mãe. Pensamento grotesco ou pelo menos difícil, não? Bem, aposto como seus filhos sentem o mesmo sobre sua vida sexual. Na maioria dos casos essa é uma situação em que os pais querem contar as crianças, sendo que elas NÃO querem saber. Você considere suas opções. Se não é preciso saber, se elas não perguntam, então não há razão para contar.

Algo que precisa ser enfatizado neste ponto é o motivo dos pais. Se você está planejando contar a seus filhos sobre suas inclinações porque não quer que fiquem preocupados quando a sua mãe gritar durante o “spanking” seus motivos são DEFINITIVAMENTE ERRADOS! Os seus filhos (não imporntando a idade) não devem ouvir suas mães berrando de dor, principalmente pelo fato do papai estar dando um “spanking” erótico. Os seus filhos não vêem e entendem as diferenças entre BDSM e o abuso, por isso elas IRÃO (não importando o que você diga) entender que é um abuso ou, no melhor dos casos, um comportamento parental estranho.

Qualquer informação/educação sobre o BDSM ou qualquer outro estilo de vida alternativo deve ser inserido em um programa de educação sexual completo (logo mais falaremos sobre isso).



Educação Sexual

Educação sexual geral é uma responsabilidade em que os pais deveriam se involver desde o ínicio. Na opinião geral dos especialistas é que, a amplitude, tolerância e responsabilidade da educação sexual deveria ser incorporada e discutida de maneira natural (isso quer dizer, começar a conversa quando o seu filho está preparado para o assunto). Quando a criança começa a perguntar sobre de onde vêm os bebês, este é a hora de começar a educação sexual geral e não pular esse momento com o papo “a cegonha traz os bebês” ou usando a famosa “seu pai te conta quando você for mais velho”. É amplamente recomendado pelos especialisatas que a forma natural e neutra da educação sexual, é incorporá-la na educação em geral. Fazendo disso uma parte normal da vida e da educação (e não tornando um “evento”), assim a criança irá crescer com uma opinião mais natural sobre a sexualidade e também irá aprender a ser tolerante as pessoas que tiverem preferências diferentes da maioria.

E sim, vocês, o pais, terão que fazer isso. Não há razão para deixar isso para os programas escolares. Como pais, vocês estão na linha de frente e qualquer escola ou instituição social que irá apenas complementar mais tarde a educação que os vocês deram. Isso não pode substituir a responsabilidade como pais.

Há muito mais na educação sexual que “pássaros e abelhas” ou somente a coisa técnica. É tambem sobre atitude para com os outros, negociando seus desejos, entendendo e tolerando outros que podem não dividir das mesmas emoções, doenças sexualmente transmissíveis, controle de natalidade, normas e valores, auto-proteção, conhecendo seu próprio corpo, desejos e resposabilidade sexual. Na verdade, a coisa técnica vem por último.

Integrar tolerância e entendimento a atividade sexual que não segue a linha geral é o mais importante se você quer se dar alguma chance para explicar sobre estilos de vida alternativos mais tarde. Integrar NÃO é a mesma coisa que vender a idéia. Sua melhor aposta é fazer o mais naturalmente possível, como se você explicasse os vários tipos diferentes de sabores de sorvete, assim dizendo.

Pense a frente!

Plus, you’re very likely to scare the living daylights out of them if it happens that way – and at that point they’re not as likely to tell you about the things they found and their very logical fears and misconceptions.

De qualquer maneira tente pensar a frente e prevenir situações de crise. Crianças são curiosas e sua curiosidade irá levá-las a encontrar seu chicote, algemas, brinquedos, livros ou fotos se você não os guardar de maneira correta (por exemplo através de um cadeado com chave). O que você deve fazer é tentar e prevenir que crianças encontrem os livros, figuras, etc e então começarem a fantasiar sobre eles (e contando aos outros) sem a devida informação e direcionamento. Além, se isso acontecer você é mais propenso a assustar até os fios de cabelo deles,  e se ocorrer nesse ponto, eles não irão lhe contar sobre o que acharam dos seus medos e concepções errôneas.

Se e quando e se eles encontrarem essas coisas, muito provavelmente eles não irão lhe perguntar, mas irão falar (e talvez mostrar) para seus amigos e não é difícil, dependendo da cada situação, que procurem conselho fora de casa sem seu consentimento. E não é o que você quer. A não ser que você tenha criado uma situação em que é normal se falar sobre esses assuntos, não espere que seus filhos venham a você. E apenas ser um bom pai não é o suficiente para essa área. Você tem que estabelecer uma situação em que assuntos relacionados a sexualidade são discutidos de maneira natural, de forma madura. O famoso “Você pode falar comigo sobre qualquer coisa” não irá funcionar quando o assunto se trata de medos e desejos sexuais que sua criança possa ter. Você simplesmente deve desempenhar um papel ativo. Estar ali não é o suficiente. Na verdade, mesmo em um ambiente saudável, eles podem não ir a você porque eles podem ter medo de deixá-los sem graça.

Another well known crisis is the following scene: mommy has just been tied down on the bed and little Johnny walks into the bedroom, complaining about a painful tummy. This is a scene you will first of all want to try and prevent. If you’re into erotic power exchange, make it a simple family policy that the parents’ bedroom is off limits, that a simple knock on a door is the polite thing to do in any case and that the door may be locked on occasion, simply because mommy and daddy appreciate a little privacy on occasion.

Outra crise bem conhecida é a seguinte cena: mamãe acaba de ser amarrada a cama quando o Joãozinho entra no quarto, reclamando sobre a dor de barriga. Em primeiro lugar essa cena é algo que você quer tentar e prevenir. Se você está na troca de poder erótica, faça uma política familiar que o quarto dos pais é fora dos limites, e que uma simples batida na porta é a coisa mais polida a se fazer em qualquer caso e que a porta pode estar trancada em certas ocasiões, simplesmente porque a mamãe e o papai apreciam um pouco de privacidade em certas ocasiões.

Se uma situação dessa ocorrer, fale com a criança imediatamente (não importa o horário da noite que seja)! Simplesmente explique a situação. Se você não falar, mais tarde irá ter vários tipos de problemas. Lembre-se que os pais têm o papel de modelos definitivos.

Em que idade?

É difícil fornecer qualquer guia geral sobre qual a idade certa para informar a criança sobre formas alternativas de sexualidade. Uma coisa, entretanto é certa, não será de grande ajuda contar a eles se não houver terreno fértil suficiente (em outras palavras, se outros assuntos não tiverem sido discutidos primeiro) ou se eles são incapazes de entender o que você está tentando explicar. Algumas crianças (em especial garotas) começarão a entender a partir dos 14 ou 15 anos. Outros (garotos são mais lentos) apenas estarão prontos aos 17 ou 18 anos. De qualquer forma, assuntos como tipos de vida alternativos são algo para uma idade mais madura e certamente não para crianças pequenas. Se eles são incapazes de entender o assunto, é muito provável que todo seu esforço se torne contra-produtivo.

Outra dica importante: dê tempo a eles. Crianças, em especial os adolescentes, passam por um turbilhão de fantasias sexuais, incertezas e se desenvolvimentos entre os 8 e 15 anos. E só porque a garota começou a menstruar não significa que os garotos também não passem por um grande passo emocional. A primeira polução noturna (em inglês “wet dream”) pode causar tanto impacto quanto a primeira menstruação. Não sobrecarregue-os com informação. Especialmente o tipo de informação que vem com a fase experimental, as mudanças hormonais e dores do crescimento. Crianças, especialmente os adolescentes, precisam de tempo para experimentar, para descobrir a própria sexualidade. A necessidade de contar a eles sobre BDSM (a não ser eles perguntem especificamente) é sua, não deles. Planos entusiastas para contar sobre sua propensão pode interferir em muito no desenvolvimento da sexualidade deles e pode causar sérios problemas no futuro.

E também, lembre-se que em especial os adolescentes são extremamente receptivos a assuntos relacionados a sexualidade e a vergonha e incerteza fazem grande parte de suas vidas. Eles estão explorando. Deixe, mas lembre-se que qualquer coisa que contar a eles agora será de GRANDE IMPACTO. Um bom exemplo de quão grande. A mãe de um jovem (12 anos) após sua primeira polução noturna diz que ele tem uma quantidade limitada de esperma disponível e que ele não deveria gastar nada disso. Claro que isso assustou até a alma do garoto. Vinte anos depois, é preciso em terapeuta muito experiente e bons três anos para entrar na sua mente. Até aquele ponto ele estava com muito medo até de fazer amor, tornando-o conseqüentemente impotente.

O que contar a eles?

Bom, como explicado, as crianças não querem saber sobre a vida sexual dos seus pais. Portanto você terá que se concentrar numa aproximação mais geral: por exemplo, há homossexuais, bissexuais, lésbicas, e pessoas que gostam de BDSM, etc e que isso é absolutamente normal não seguir as preferências, fantasias ou inclinações convencionais. E explique que pessoas que digam o contrário são simplesmente intolerantes.

Uma vez que você fertilizou o solo dessa maneira, assuntos sexuais devem se tornar assuntos normal para seus filhos conversarem ou perguntarem (mesmo se forem difíceis), você terá ganho três quartos da batalha. Porque uma vez estabelecida esta situação (a qual é uma estratégia a longo prazo) não apenas você terá dado a seus filhos uma visão mais madura e tolerante sobre sexualidade (e ajudado a diminuir as chances de engravidarem muito jovens, adquirir uma doença sexualmente transmissível ou coisa parecida), mas também terá criado um ambiente onde eles começarão a perguntar.

Essa é uma estratégia a longo prazo que, idealmente, deveria começar em estágios iniciais (brincando com seu próprio órgão sexual NÃO é um mau exemplo, todas as crianças fazem isso e geralmente quando bem jovens). Assim que você estiver estabelecido um ambiente em que assuntos sexuais são tão normais quanto perguntas sobre testes de matemática da escola, provavelmente seus filhos irão começar a perguntar. ESSA é a hora certa de falar sobre BDSM, porque agora que estão receptivos e provavelmente prontos para isso. Explique em termos gerais e não “isso é o que o papai faz com a mamãe”. Mais tarde, novamente após preparar e fertilizado o solo, você pode querer (de forma casual) que o papai e a mamãe estão nessa também.

Como contar a eles?

A maioria dos experts em educação sexual (ou qualquer outra) irá dizer que a educação é um processo duplo: a explicação e um pouco de iniciativa do educador em um lado, e a descoberta e exploração pela criança no outro. Na qual qualquer educador sexual responsável irá prover material escrito (informação por livros ou internet) contendo explicações, guias e informação pessoal. O que é exatamente o que você deve tentar fazer. Adquira alguns livros para você (sobre educação sexual geral) e tenha certeza que esses livros do tipo não prejudiciais e tolerantes. Se e quando o assunto sobre BDSM for trazido a discussão: providencie informação sobre o assunto em que eles podem ler por eles mesmos (lembre-se que é provável que eles já tenham feito alguma pesquisa por eles mesmos), mas tenha certeza que as crianças ou adolescentes irão entender.

Novamente, que seu papel como educador seja neutro, tenha uma aproximação mais geral e nesse estágio tente evitar SUAS preferências e envolvimentos pessoais e somente, de forma casual, conte a eles mais tarde sobre o fato que você também participa.

Em geral, garotos tendem a converser com o pai sobre assuntos sexuais, garotas tendem a escolher a mãe para este trabalho. Conseqüentemente a educação sexual é algo que AMBOS os pais devem se envolver. Nem todos os pais são bons nisso. Sem problema, não há nada de errado em contar a seus filhos que você tem dificuldade em explicar isso ou aquilo ou que você precisa estudar o assunto primeiro.

Comportamento BDSM

Casais geralmente possuem padrões de comportamento e regras da casa que resultam em uma troca de poder dinâmico entre os dois parceiros. Alguns exemplos são que o submisso sempre tem que obedecer o dominante, ela tem um controle limitado sobre o dinheiro, ela tem que cumprimentar de certa maneira e coisas assim. Em princípio não há nada de errado com isso, mas há algumas coisas a considerar nessa área.

Tenha certeza que você expôs os exemplos corretos a seus filhos. Você (como pai) é o modelo ideal. Se a limitação de renda da sua família é o sistema,  isto não deve ser um problema, enquanto você explicar que isso não é o jeito que todos fazem e que suas filhas têm que aprender a controlar seus próprios orçamentos.

Ajoelhar, punições e regras sobre-entusiásticas estão fora de questão quando os filhos estão presentes. Você terá que procurar por meios mais sutis para realizar explicitamente o BDSM ou simplesmente retraí-los na presença dos filhos. Se você se mostrar um modelo errado pode criar mais tarde um padrão de comportamento desbalanceado, não saudável e não quisto e nem tudo pode ser corrigido pela explicação.

E tudo isso não é tão difícil enquanto você entender que NÃO há a necessidade de saber o ponto de vista da criança. Muito provavelmente VOCÊ  é o que está querendo explicar a situação, a única questão que você tem que perguntar a si é se é ou não é produtivo e pode contribuir com qualquer coisa com o desenvolvimento e educação da criança. Na maioria dos casos, educação sexual com tolerância e mente aberta é BOM. Muito bom. Mas (mesmo sem intenção) projetar suas necessidades e desejos em seus filhos NÃO É BOM. Então tenha certeza que você saiba porque você quer explicar essas coisas a seus filhos e tenha certeza que irá fazer isso como parte do seu programa de educação sexual geral em andamento.

Fonte: Fetish Exchange

FAQ: Ele Quer Mas Eu Não Quero!


Segue abaixo o texto traduzido do site Fetish Exchange e que de certo vai ajudar algumas pessoas.

Abaixo está uma pergunta que um de nossos leitores nos perguntou e vamos responder. É uma pergunta que provavelmente é feito pelo menos uma vez a semana. A situação é que não é incomum quando se trata de BDSM: um dos parceiros quer, mas outro não. Espero que esta questão ajude outras pessoas.

A questão…

“Estou procurando informações que possam cobrir os problemas que podem surgir num relacionamento, especialmente no casamento quando um parceiro revela suas tendências BDSM. Eu sou uma esposa baunilha que acredita ser dominador. Nós estamos casados há oito anos, até há dois anos atrás, eu não tinha a mínima idéia dos interesses dele. Nós fizemos alguns experimentos desde que ele revelou seu interesse, mas eu isso não me excita nem um pouco. É possível que algumas circunstâncias de algum de nossas tentativas me desanimou, mas acredite, me desanimou permanentemente.”

“Eu li toneladas de informações sobre este assunto, li histproias, conversei com dom(mes) e subs, conversei com meu marido, etc… Eu sou uma daquelas chatas que não vê graça nisso.”

“Meu marido e eu chegamos a um ponto em nosso casamento onde ele decidiu que precisa rever seu BDSM. Há uma semana atrás, a questão era qual era mais forte, eu ou o BDSM. Quando conversei em dar um tempo no casamento para dar uma chance de rever seus sentimentos (é difícil ser casado por oito anos e perceber que pode não ser escolhida), ele disse, enfaticamente, que ele colocaria seus sentimentos BDSM de lado e focaria no casamento.”

“Parece que nossas opções são:

  • Ele guarda seus sentimentos sobre BDSM;
  • Eu descubro como interagir com ele (isso não vai acontecer);
  • Nós negociamos um meio dele procurar outro “play partner” (isso me deixa mal por que eu sei o envolvimento emocional necessário e não sei se posso lidar com isso);
  • Nos separamos e ele procura seus desejos sem uma esposa baunilha (uma escolha terrível por que amo ele).”

Minha pergunta é, qual a possibilidade desses sentimentos ressurgirem no futuro e causar mais conflitos? Nós discutimos a possibilidade de ele achar uma sub com um relacionamento não-sexual com ela. Mas há inúmeros problemas que podem surgir com essa possibilidade.

  1. Eu acredito que BDSM, independente de envolver relação sexual ou não, é uma forma de sexo (em outras palavras sou terminantemente monogâmica). Me desculpe se estou me repetindo.
  2. Ele não quer “estragar” o casamento com suas necessidades (ele se divorciaria a estragar o casamento, suspeito).
  3. Ele não consegue achar uma parceira.

“De qualquer forma, se você conhece qualquer recurso, pessoas, artigos, livros, organizações, anjos, fadas madrinhas, QUALQUER PESSOA, QUALQUER COISA que possa me ajudar a responder essas questões; eu seria muito grata que eu – bem, eu não sei o que faria. Estou num ponto onde estou lutando com questões sobre confiança, traição (de mim mesma ou marido), medo, etc. Eu olhei nas suas listas de livros e artigos e não vi nada que possa parecer útil.”

“Me desculpe pelo tom íntimo e pessoal neste e-mail, mas estou desesperada. Nós estamos para marcar uma reunião com um conselheiro matrimonial (ugh! Mas necessário), mas alguma coisa me diz que eu não irei achar respostas lá, e que o foco será no por que ele é do jeito que é. Estou muito grata por ter achado o seu site (no caso, Fetish Exchange.org) (…)”


Nossa Resposta…

Obrigado por nos trazer esta questão, por que é um problema que muitas pessoas tem. Vamos começar dizendo que provavelmente as emoções BDSM não vão desaparecer. Apesar da ciência ainda não ter determinado o que determina a nossa preferência sexual, está se tornando aparente que pelo menos uma parte substancial dele é genética. Seu marido está obviamente passando por um grande problema pessoal (e consequentemente você também) que não é fácil de lidar. Mesmo que pareça que ele irá guardar suas emoções agora, é muito provável que eles apareçam de novo no futuro e provavelmente ficarão mais fortes. Os sentimentos e as fantasias básicas ainda estarão lá. O que causa muita tensão no seu relacionamento, sem dúvida.

Há praticamente nenhum livro sobre isso que possamos indicar. Ele resume-se na Incompatibilidade de parceiros (o que não é incomum – com ou sem BDSM).

Como dito antes, a situação não está completamente perdida. Chegaremos lá em um minuto. Primeiro no entanto, outro aviso. Você está certísssima em dizer que BDSM (mesmo sem o “ato”) é uma forma de sexualidade, portanto não há BDSM sem sexo. Tenho um play partner fora do relacionamento é algo que muitos tentam como uma solução para este problema. Isso funciona? Geralmente não. Há alguns riscos envolvidos nisto:

  • O BDSM irá trazer sentimentos e emoções entre os dois. Emoções que não estavam lá antes – pelo menos não na situação real. É bem provável que o play partner adquira um vínculo, e a esposa não-BDSM irá sentir excluida e ele estará dividido em duas pessoas diferentes (neste caso).
  • Para “brincar, mas sem sexo” é o que muitas pessoas sugerem no começo. Você pode tomar nossa palavra que algum tipo de sexo ativo de certo irá evoluir em breve, uma vez que a tensão acumulada na cena tem necessidades sexuais.
  • Desde que sentimento BDSM para muitas pessoas são queridas, das emoções pessoais e estimadas, dividir com alguém irá automaticamente resultará num vínculo especial que vai crescer e as coisas que não deveriam estar lá também irão “escorregar”, mesmo se os play partners mesmo assim não o quiserem.

Poranto, a menos que você ache um parceiro comercial (que neste caso é muito pouco provável porque há pouquíssimos submissos profissionais) em que você paga mas não tem nenhum vínculo com ele, os riscos para esta solução é imensa. E você está certa, você terá que concordar e lidar com tudo isso.

Agora, da questão do: isto não tem solução? Provavelmente não. Nem mesmo sabendo exatamente o que aconteceu entre vocês dois até então, é bem provável que as coisas começaram com o pé esquerdo com o seu marido pedindo muito. Mesmo sem uma dinâmica dominante/submisso específico há poucas mulheres que não ficarão atraídas ao “excitante” erotismo e sexualidade (mesmo você ter aceitado você e seus sentimentos primeiro).  Lembre-se não vamos jogar  o “você é submissa mas você ainda não sabe” em você, por que isso é besteira. No entanto, tente e visualize a situação: você está vendada com algo macio como a seda, e tudo o que ele faz com você é acaricia-la, te excitar, te beijar, talvez faça um pouco de cóceças e comprometa o esforço dele seduzi-la. Sem chicotes, sem cordas, sem algemas, sem couro; apenas uma venda, talvez uma taça de vinho, luz de velas, musica ambiente, conforto um prazer e MAIS IMPORTANTE, sem stress. Apenas puro e simples prazer.  É bem provável que você goste disso. Bem, isto É um tipo de BDSM. Um que você permita ele te seduzir, enquanto ele terá a inciativa. Esta é exatamente a dinâmica que realmente estamos falando no BDSM.

Algo parecido acima – e por favor jogue fora a tensão e o stress, esqueça que está sendo chamada de escrava, chamando-o de mestre ou algo assim, esqueça o fato de que isso é BDSM, apenas curta – poderá ser puro e simples prazer e diversão. Há muitos outros meios de trazer este mesmo erotismo. Por exemplo, permita ele te “ordenar” a cozinhar um maravilhoso jantar a luz de vela para vocês dois. Isso provavelmente será uma boa entrada para o puro prazer também.

Os exemplos acima são bem simples e ao mesmo tempo são formas eróticas e íntimas de role play sem as coisas pesadas. E isso – e outras formas – podem ser um maravilhoso meio de experimentar por si mesmo o que você gosta e não. Deixe ele escolher as suas roupas, como uma mudança. Você estará fazendo pequenas coisas que irá agradá-lo e será receptivo a isso. Tudo isso é BDSM, e isso irá parecer bom para ele bem como para você sem as coisas pesadas. A idéia é aprender e brincar e AMBOS  experimentarem coisas divertidas, sem stress, a necessidade, etc…

Isso irá pra frente? Quem pode dizer? Iso depende totalmente de vocês doius. Mas tente. Não é assustador como parece (ou pelo menos não deve ser). Isso oferece a vocês dois a possibilidade de explorar, para ele, aprender e entender que o truque (em qualquer tipo de BDSM) é subliminar e NÃO a coisa pesada (muitos do que você vê é pornografia e tem pouco a ver com as coisas que as pessoas fazem em suas casas).

Mas de qualquer forma, converse sobre isso, comunique-se, e troquem entre vocês o que podem e não. Isso é para você também e suas necessidades devem ser respeitadas

Fonte: Fetish Exchange

FAQ: BDSM é Legal?


Isto é uma pergunta não muito comum, mas tenho certeza que muita gente não tem certeza sobre o assunto. Primeiramente vamos assumir que você vive aqui no Brasil. É onde vamos nos basear a lei neste artigo.

Como todos sabemos, o BDSM é cercado de lendas urbanas. Não só aqui no Brasil como em todo o mundo. Muitas confusões poderiam ser evitadas se as pessoas possuíssem melhores informações sobre aquilo que acham que sabe. Devido ao sensacionalismo da mídia, muitos veem o BDSM associado a maníacos esquartejadores ou tarados sem bom senso. Eu também assumo que você também saiba o básico sobre o BDSM real, e não o BDSM da mídia.

Pois bem, para me apoiar neste artigo eu pedi ajuda ao meu advogado, o Dr. “Mercúrio”, muito respeitado e  que inclusive é o advogado oficial de um partido político. Ele também é um iniciante-curioso no fetichismo, mais precisamente na área de podolatria.

Segundo o Dr. Mercúrio, sim; o BDSM é legal, ponto. E me mostrou trechos da CF (Constituição Federal) para apoiar a sua afirmação.

Constituição Federal

Art. 5 da CF II – ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;

III – ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante;

VIII – ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

X – são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;

XVII – é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar;

Ok, muitos vão me perguntar e de certo eu também perguntei ao Dr:

“Certo, mas de cara diz que teoricamente a nossa “””tortura””” é proibida, e por outro a nossa intimidade é inviolável e temos livre expressão filosófica, qual prevalece? O inciso III ou o X? “

A resposta do Doutor:

“Ambas tem sua força, mas é claro que o inciso III faz referência ao regime militar… Mas o inciso o qual mais me apoio é o II, ou seja, se não existe lei que diga que o BDSM é crime, você pode fazer. E enquanto não exista lei que diga que o BDSM é obrigado a ser praticado eu tenho a escolha de não fazer.”

E ainda, como “bônus” o Dr. Mercúrio afirmou que os encontros e festas fetichistas estão apoiados no inciso XVII.

Por isso senhoras e senhores, podem praticar BDSM sem preocupação. Pois a constituição os apóia. 😀

FAQ: Socorro! Meu Parceiro é BDSM


Imagine a situação: Vocês dois possuem um relacionamento de muitos anos. Vocês são casados ou morando junto ou possuem um longo relacionamento. De repente, você ou seu parceiro começa a sentir desejos por BDSM. E agora? Como você expõe isso ao outro? O que irá acontecer com o relacionamento? Será que haverá relacionamento? Como seu parceiro irá reagir a isso?

Esta é uma situação muito comum. Na verdade, um monte de pessoas possuem este problema; não é estranho ter seus sentimentos e fantasias confrontados em algum momento de suas vidas. Talvez esses sentimentos estivessem lá já um bom tempo, mas estiveram suprimidos. Ou então eles simplesmente apareceram, por assim dizer. Já que é difícil de determinar o que exatamente ativa essas emoções, ele pode ocorrer em qualquer estágio de sua vida. E muita gente acha difícil conseguir uma evasão para essas emoções, especialmente quando eles já se encontram em um relacionamento. Pessoas tem medo de serem rejeitadas, ou chamadas de loucas. Eles tem medo que seu parceiro não queria compartilhar os seus sentimentos. De fato, é capaz de seu parceiro já estar rejeitando desde já.

Você pode parecer Kinky, mas de certo você não é louco.

Primeiro de tudo: Quaisquer sejam suas emoções, você não é louco, você não está sozinho e estes sentimentos são perfeitamente normais, mesmo parecendo extremo para você. Cientistas estimam que 15% da população adulta tem fantasias eróticas relacionadas ao BDSM de alguma forma. E outra, essas emoções – dominantes ou submissos – são difíceis de suprimir ou ignorar. Cedo ou tarde eles vão emergir. Ignora-los pode ser uma solução de curto prazo, mas a longo, não. Você pode ser “estranho”, mas você é perfeitamente são.

A melhor dica é falar sobre essas emoções, não importando o quão difícil possa parecer para você (Comentário do GasMask: é verdade, sou prova disso 😀 ). Se há confiança e respeito mútuo entre vocês dois, não há motivo para ter medo. Isso pode soar rude, mas se não há confiança suficiente e respeito em seu relacionamento, bem, acho que é melhor você pensar melhor em que tipo de relacionamento você está.

Bem, não exagere no começo.  Talvez você tenha se acostumado com suas fantasias ao longo dos anos, mas antes de falar sobre eles. Mas lembre-se que tudo o que você disser ao seu parceiro é provavelmente totalmente novo para ele/ela. O seu parceiro pode ser mente aberta, mas você deve dar tempo suficiente para ele/ela para digerir o assunto e acostumar com a situação. Outra coisa sábia a se fazer é se preparar. Antes de começar a falar, tente identificar exatamente o que você quer falar. Tente adquirir algum conhecimento geral sobre BDSM para que você possa explicar isso e não só suas emoções. Geralmente é bem útil ter uma informação geral sobre o tema que você irá expor ao seu parceiro, para que ele/ela possa fazer um julgamento independente, baseado não só em suas emoções, mas de uma forma objetiva, “de fora”, e geral. Alguns artigos do site serão bem úteis a você.

Se você é o parceiro que está recebendo a notícia, o melhor conselho é ser aberto. Claro, essa nova informação pode assustar você. É válido. Se não, então ambos devem dividir muitos interesses em comum e então haverá muita coisa para se conversar. Ainda, se o seu parceiro não fizer isso, seja informado disso.


“Saindo do Armário”

O que você está procurando é, de fato, duas coisas diferentes: um é o genérico “sair do armário” e o outro é o relacionamento com o seu parceiro. Apesar de isso parecer difícil, tente separar estes dois tópicos. Faça o “sair do armário primeiro” e depois veja em perspectiva o seu relacionamento. Isso vai levar tempo, paciência e entendimento mútuo. O “sair do armário” é muito difícil para muita gente. Sair dele é precedido de um período de incerteza, e algumas vezes sentimentos fortes de solidão e medo. É isso que o faz tão difícil. Mesmo quando o processo de “sair do armário” já começou, pode levar um tempo para sumir os medos e incertezas escondidos. Pessoas nesta fase geralmente estão bem vulneráveis e muito sensíveis para até mesmo um pequeno indício de possível rejeição. É isso que faz difícil falar com eles.

Outro tipo de comportamento, típico de quando se sai do armário, é drenar você por completo. Uma vez que a enxurrada de palavras começa, parece que todo o inundamento da represa não pode ser impedida. Para o parceiro receptor é muito difícil e talvez sinta uma tempestade dentro dele. É sábio tentar fazer isso em doses pequenas de tempo em tempo.

Um terceiro fator você deve levar em conta é uma coisa que muitas pessoas atraídas pelo BDSM tendem a fazer. Isso é chamado de comportamento “Lista de compras”. É o que acontece quando o novato tem uma fantasia em particular por anos e a primeira coisa que ele quer é realizar essa fantasia exatamente como ele imagina, incluindo cada detalhe. Isto claro primeiro de tudo é quase impossível. Segundo, isso não dá espaço para seu parceiro, que talvez possa ter outros pensamentos sobre isso. Geralmente mata a situação antes mesmo de começar.

O último fator que devemos mencionar aqui é o excesso de priorização. Muitas pessoas tendem a sobre-priorizar suas (recém-descobertas) emoções sobre BDSM e colocá-los a frente de tudo. Embora isso é muito compreensível,  é algo muito imprático e pode tornar as coisas um pouco complicadas.


Um parceiro de cena fora do seu relacionamento

Muitas poucas pessoas tendem a procurar um  “playmate” (parceiro de cena) fora do seu relacionamento. Eles fazem isso para evitar uma possível rejeição de seus parceiros. Às vezes isso é feito com base no consentimento mútuo entre os parceiros. Para algumas pessoas isso pode ser uma solução, especialmente nos casos em que um dos parceiros é incapaz de seguir o outro. No entanto, existem alguns riscos envolvidos aqui. Embora algumas pessoas tendem a separar o BDSM de uma relação, na verdade não existe essa diferença. O BDSM que você tem com seu playmate, será, sem dúvida, conduzido a uma troca muito íntima de emoções irá criar um vínculo muito forte. O outro parceiro pode se sentir rejeitado e, uma vez que pode ser difícil compartilhar todos esses sentimentos e emoções numa base de igualdade entre o trio, os riscos e perigos para a sua relação “privilegiada” são reais e enormes. Embora as pessoas, muitas vezes, dizem o contrário,  poucas podem viver numa situação de emoções e sentimentos íntimos com seu companheiro ou cônjuge e a parte física de tudo isso com outra pessoa.

Se você tem dificuldades para trabalhar com o BDSM entre vocês dois, o melhor é pedir ajuda. A maioria dos terapeutas de hoje, conselheiros matrimoniais, psicólogos e sexólogos não terá qualquer dificuldade em debater o BDSM. Eles também entendem os riscos e problemas envolvidos e eles costumam ter um debate de mente aberta com  vocês e vai tomar uma atitude objetiva para o BDSM. Se  não, basta procurar outro.  E por fim, você pode  conversar com algumas pessoas de um grupo BDSM local que são experientes e podem ajudá-lo.


Fonte: Fetish Exchange

Eu tenho algo para te contar…


Uma das perguntas mais comuns que recebo é: Como conto para o meu parceito que gosto de BDSM? ou Como saber se meu parceiro gosta de BDSM?

É realmente é um assunto delicado. As pessoas são diferentes, tem formação e opinião diferente sobre o que eles entendem sobre BDSM. Não há fórmula mágica para isso.

Antes de falar sobre o assunto, nunca faça uma cena, ou force a fazer uma cena com o parceiro sem ele saber do que se trata. Sempre converse antes.

O meio mais rápido, obviamente, é abrir o jogo e falar na cara. Evita mal entendido e  deixa bem claro. Neste caso não há muito segredo. Chame a pessoa para “sentar e conversar” e mostre que está abrindo seu sentimento, que está falando sério, senão a pessoa pode achar que você está brincando e não levar a sério. Diga a pessoa que há tempos você gosta de BDSM (Dominar/Submeter/Fetiches/Spanking, etc…) e informe a pessoa para esquecer qualquer coisa que ela viu na TV e explicar como realmente é o BDSM. Mostre que não é coisa de outro mundo ou de loucos. E pergunte para o parceiro o que acha ou se está disposto a experimentar.

O segundo caminho muita gente prefere ir pro lado subliminar. Não há nada de errado nisso, aliás, acho que usar indiretas como modo de “preparar” a pessoa para contar é parte do processo. Pergunte a pessoa sobre o que ela acha do BDSM, ou sobre “apimentar o relacionamento”, ou até o que acha do papel da tiazinha. 😛 Mostre imagens de BDSM light, ou invente uma historinha inocente para saber a opinião dele(a) (fulano me contou que pratica BDSM, o que acha disso?). Mostre documentários sobre BDSM e pergunte o que acha, etc… O problema das indiretas é a pessoa não entender o recado e você achar que está entendendo, daí é uma confusão sem fim. Ou pior, achar que você está brincando ou de sacanagem e a pessoa responde de forma cômica e não sincera, piorando a situação.

Minha opinião? Se prepare, pense no discurso e puxe a pessoa para conversar. Afinal o “não” você já tem, não é mesmo?

“Fulando, eu há muito tempo quero compartilhar uma coisa com você. Desde X tempos eu gosto de X, Y, Z (spanking, fetiche, bdsm, dominação, etc) e queria experimentar no nosso relacionamento. Tire da cabeça tudo o que você viu e ouviu na TV, a realidade é outra. Essa pratica é assim, assim, assado. Existe segurança (safeword, SSC) e funciona assim. Nada é obrigatório. É tudo uma brincadeira. Seria interessante experimentarmos, o que acha?”

Mas lembre-se, tudo tem um risco. A reação da pessoa ao contar pode ser desde adorar a ideia ou até por em risco o relacionamento. Mas acredito que se a pessoa tiver o mínimo de consideração irá entender o quão foi dicifil  para você confiar algo tão íntimo e irá parar por um momento e refletir sobre o assunto.

Ou claro, você pode enviar este post a pessoa para abrir caminho para o assunto e depois conversarem mais a fundo. 😀 Se alguém lhe enviou este post, considere essa possibilidade, vasculhe este site e descubra um pouco mais sobre o BDSM. E se mesmo assim não lhe agradar, por favor, seja respeitoso ao declinar. 😉

“Tenho Alguns Fetiches. Quer dizer que sou Sadomasoquista?”


ilustra0Esta é uma pergunta que alguns curiosos e até baunilhas me perguntam: “Eu tenho alguns fetiches, ou sinto tesão por certa coisa ou prática. Serei eu Sadomasoquista e não sabia?”

Bem, first things first. ‘Sadomasoquismo’ é a composição de Sadismo e Masoquismo. A menos que vc seja switcher e a sua tara seja esta dupla, vc não é tecnicamente um Sadomasoquista. Até pq, pessoalmente, acho este termo ficou com tom pejorativo por causa da mídia.

Conforme explicado em artigos anteriores, o BDSM nada mais é um conjunto de fetiches e práticas que entre eles o mais famoso é o sadismo e masoquismo. E não necessariamente os praticantes gostam de tudo e tb há diversas outras práticas e fetiches e não estão necessariamente ligadas ao Sadismo e Masoquismo. Mas estão dentro do conjunto BDSM. É preciso deixar claro q ser BDSM não necessariamente é gostar de ser masoquista, sádico, dominador ou submisso.

Vc é um de nós, BDSM? Só vc mesmo poderá nos dizer. Alguns gostam de coisas do meio, mas negam profundamente pois acham que isso é coisa de pervertido, de gente com problema, ou por que “não são Sadomasoquistas”, que já foi explicado acima.

No meu caso, por gostar de certas coisas desde pequeno, abracei esta causa. A principio neguei, e acho normal. Mas depois de ver e pesquisar vi que meu perfil, minhas preferências se encaixam com a esmagadora maioria dentro do BDSM. Não posso negar aquilo que sou.

Mas por outro lado, acredito que quase todo mundo tem fetiches em maior ou menor intensidade. Mas então seria todo mundo BDSM? Taí algo que me encuca…